Morhan Nacional:

Com mais de 20 casos de hanseníase a cada 100 mil habitantes menores de 15 anos, o Brasil precisa com urgência de ações voltadas para o tratamento precoce da doença. Foi o que afirmou o senador Tião Viana (PT-AC), ao discursar na quinta-feira (14), quando registrou também que o Nepal ocupa o segundo lugar mundial em número de casos de hanseníase na população de até 15 anos: dez a cada 100 mil habitantes. Ele leu nota do MORHAN que promoveu manifestação na frente do Congresso Nacional na manhã de quarta-feira (13). -  Não há qualquer razão que justifique esse tipo de incidência da hanseníase no nosso país, e nós temos o dever de lutar contra essa doença negligenciada. É uma doença órfã. O Brasil ainda tem essa dívida a pagar nos seus 500 anos - afirmou. Na manhã da quarta-feira (13), integrantes do Morhan estenderam, no gramado em frente ao Congresso, um painel de 30 metros por 30, elaborado pelo artista plástico goiano Siron Franco. O painel representou o mapa da hanseníase no Brasil, nos últimos cinco anos. As regiões mais atingidas pela doença são Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e os estados mais afetados são Maranhão, Piauí, Pará, Tocantins, Mato Grosso e Goiás. O ato fez parte do 1º Encontro Nacional de Jovens do MORHAN. Tião Viana, que é médico, ressaltou que a hanseníase hoje tem cura e que os medicamentos, que interrompem a cadeia de transmissão, são doados pela Organização Mundial da Saúde. O senador elogiou o Executivo e o Legislativo brasileiros por terem, em 2007, criado a lei que concede pensão especial às pessoas atingidas pela hanseníase que foram submetidas a isolamento e internação compulsórios (Lei 11.520/07). Essa indenização, disse o senador, já beneficiou mais de 2 mil brasileiros e 8 mil processos aguardam julgamento na Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Fonte: Agência Senado
Compartilhe: