Morhan Nacional:

Yohei Sasakawa, presidente do conselho da The Nippon Foundation, apontou a falta de infra-estrutura como um dos principais problemas enfrentados pelos agricultores africanos e que impede a implantação do tipo de “revolução verde” que ocorreu na Ásia. Falando para líderes africanos na sessão plenária sobre parcerias público-privadas em 29 de maio, durante a 4ª Conferência de Tóquio sobre desenvolvimento africano (TICAD IV), ele disse que “mesmo que os agricultores quisessem aumentar a colheita, não há mercados onde possam vender os seus produtos. Ou, onde os mercados existem, os agricultores não têm acesso a eles.” Como resultado, continuou: “eles não podem converter o aumento da colheita em renda e, com isto, sua qualidade de vida não é melhorada.” “Chegou o momento de agir. Juntos podemos formar uma aliança para acabar com a pobreza na África.” Acentuou que a The Nippon Foundation “está pronta para fazer a sua parte.” Sasakawa, que é Embaixador de Boa Vontade da Organização Mundial da Saúde para a eliminação da lepra, disse que viu “como uma aliança pode ser eficaz no campo do combate à lepra. Em apenas duas décadas, a doença passou de ser um problema de saúde pública em 122 países para apenas dois países hoje em dia.” Concluiu enfatizando o problema urgente do absurdo aumento dos preços dos fertilizantes “que tem sérias conseqüências para os agricultores da África”. Apelou para que esta questão seja discutida durante a conferência de cúpula do G8 no Japão, no final desse ano. Nos últimos 22 anos, a The Nippon Foundation vem financiando o programa Sasakawa-Global 2000 (SG2000), que trabalhou com pequenos agricultores em quatorze países africanos para aumentar e diversificar a sua produção de grãos e melhorar as condições de subsistência rural. O programa foi lançado em 1986, em cooperação com o ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, e com o ganhador do Prêmio Nobel Dr. Norman Borlaug, pai da “revolução verde” na Índia e no Paquistão. Para reforçar a capacidade dos serviços de extensão agrícola, a The Nippon Foundation financiou programas educacionais para extensionistas em meio de carreira em treze universidades e faculdades de nove países africanos. Até hoje, quase dois mil e trezentos extensionistas já estão formados, ou estão atualmente se beneficiando do programa. A The Nippon Foundation investiu mais de US $180 milhões nesses programas. Publicado originalmente no site Businesswire.com
Compartilhe: