Morhan Nacional:

15ª Conferência Nacional de Saúde


Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas:
Direito do povo brasileiro

 

 

Plenária Popular Regional NORDESTE de Conselhos de Saúde e Movimentos Sociais

 

O Conselho Nacional de Saúde em conjunto com os Conselhos Estaduais de Saúde da Região Nordeste  organizam e realizam nos dias 13 e 14 de março de 2015,  sede da Escola de Saúde Pública do Estado do Ceará em Fortaleza.com pleno acompanhamento da Coordenação Nacional de Plenárias,  de entidades e movimentos sociais.

A Plenária se materializa em um evento aberto que participam Conselheiros Municipais, Estaduais  e  Nacionais de Saúde movimentos sociais que compreendem desde os populares a academia, sindicatos e grupos sociais  que debatem ou querem apropriar e agir na defesa da consolidação do SUS.

A grande motivação em realizarmos essa Plenária Popular Regional Nordeste de Conselhos de Saúde e Movimentos Sociais, é a decisão da presidenta Dilma Rousseff em convocar a 15ª Conferencia Nacional de Saúde para os dias 23 à 26  de novembro em Brasília-DF(data alterada em função de estruturas, logisticas e apoios na capital federal, passando para os dias 01 à 04 de dezembro de 2015)

Para tanto e antes mesmo de iniciar as etapas municipais e estaduais consideramos positiva a decisão de realizar as cinco Plenárias Populares Regionais no país e a 19ª Plenária Nacional de Saúde de Conselhos de Saúde e Movimentos Sociais, nos dias 13 e 14 de abril do corrente ano.

Nossa responsabilidade será a de compreender o novo significado dessas mobilizações, entender para além das formalidades e escutar a população sobre seus anseios e reivindicações apontando para o poder público as diretrizes e propostas que visem potencialização do SUS e ampliação da participação e do Controle Social em nosso país.

SOBRE AS PLENÁRIAS DE CONSELHOS DE SAÚDE E MOVIMENTOS SOCIAIS

As Plenárias de Conselhos vem sendo realizada desde 1995 no país e atualmente pretende-se envolver o máximo de entidades e movimentos sociais para que as questões em debate não fiquem circundadas apenas a quem já vem atuando na saúde, as mesmas foram construídas e devem ser fortalecidas pelos milhares de conselheiros locais, distritais, regionais, municipais, estaduais e nacionais de saúde e devem se responsabilizar a enfrentar as grandes adversidades que se impõe na conjuntura.

É preciso demarcar campo para que a saúde esteja ofertando ações e serviços amplos, com caráter inclusivo, integrativos e suficientes a atender a população, lutar pelo aporte de recursos para a saúde além de combater a financeirização do SUS e abertura ao capital estrangeiro no SUS, a terceirização desenfreada, o orçamento impositivo, regras de aposentadoria que não atendem a população.

 

As políticas de equidade devem permear o debate, envolvendo campo e cidade em suas mais variadas formas de fazer política pública e a educação permanente para o controle social ser o componente agregador.

Maiores informações no Conselho Estadual de Saúde do Ceará ou no Conselho Nacional de Saúde.

Compartilhe: