Morhan Nacional:

O Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) promoverá o 2º Encontro de Manifestações Culturais na próxima quarta-feira (dia 13), às 18h, no Teatro João Caetano, Centro do Rio. A novidade deste ano é o show ?Do Sagrado ao Profano?, da atriz e voluntária Elke Maravilha. O objetivo é reunir artistas de vários estados e ritmos em um ato público que chame a atenção da sociedade para o avanço da doença e o preconceito no país . No dia, terão representações do Ministério da Saúde, Secretaria Estadual e municipais de saúde, que congratularão os 30 anos de Atividades do MORHAN, a única entidade do Brasil que recebeu o Premio Sasakawa de reconhecimento a contribuição Saúde Pública mundial pela Organização Mundial de Saúde. No espetáculo, Elke Maravilha, acompanhada por sua banda, interpreta canções e textos que tratam de assuntos como idealismo, dignidade, forças da natureza, amor, compaixão, sexualidade, tirania, religiosidade, refletindo sobre o que é sagrado e o que é profano. As atrizes Karla Karenina e Leona Cavalli também participarão do espetáculo, que será intercalado por apresentações de outros artistas convidados. A programação inclui o grupo de capoeira criado dentro do antigo hospital-colônia do Curupaiti (RJ), o Explosão Hip Hop (Manaus/AM), Thiago Carvalho da Silva (Rio Branco/AC), banda Morhan Pop (Juazeiro do Norte/CE), Frei Xico e o Coral Os Tangarás (Betim/MG), Dimas Bezerra e Alfredo Werner (Teresina/PI), Leona Cavalli (São Paulo/SP), Leandro Ferro, Luiz Cláudio Souza e Yuri Steinhoff (São Bernardo do Campo/SP). ?Nesta luta pela erradicação da hanseníase devemos somar nossas consciências e ações para a construção de uma sociedade onde os portadores de hanseníase não sofram mais restrições e preconceitos em seu convívio social e possam conquistar o pleno exercício de sua cidadania. A questão da hanseníase não pode mais ser relegada a um segundo plano, alimentando o estigma e o preconceito, bem como não podemos mais aceitar que seres humanos continuem ignorantes quanto ao fato de que esta doença tem cura, sendo que para isto basta que se dê apoio e que se tenha boa vontade para com as pessoas e instituições que se dedicam à sua erradicação?, afirmou Elke Maravilha. Serviço2º Encontro de Manifestações Culturais do MorhanData: 13/7Horário: 18hLocal: Teatro João Caetano (Praça Tiradentes, Centro, Rio de Janeiro) Colaborou: Claudia Silveira (Assessoria de Imprensa MORHAN)
Compartilhe: